09Maio
Arquivado em: Música

Este é um texto que publiquei originalmente na Metiza, revista gringa que tem parceria com o I AM THAT GIRL. Era 2017 e eu estava muito na vibe de Florence + The Machine, cujas músicas me ajudaram a atravessar o entretempo de 2016/2017. E achei justo trazer a tradução!

 

Especialmente para lembrar de um ínterim de tempo do qual ficou para trás (menos o amor pela Florence, claro).

 

 

Passei por muita coisa durante o 2º semestre de 2016. Eu realmente acreditei que este mundo não tinha mais nada para mim. Tudo se intensificou com o meu desemprego e comecei a me perder por causa desse fracasso. Perdi minha inspiração e me importei ainda menos com meus projetos pessoais. Eu não desisti de tudo, mas eu não tinha a energia que eu geralmente cedo para todas as coisas que são importantes para mim.

 

Eu costumava pensar: não importa o quanto eu tente, isso não funcionará. No fundo da minha mente, eu sabia que fazia tudo errado, mas como? Desistir é muito mais fácil, certo? Nem tanto. Eu comecei a lutar com meus desejos e sentimentos contra a ideia de que eu estava perdendo tempo – mas eu não sabia como sair disso. Então veio o medo – e o medo e o fracasso não são um casamento perfeito. Então, eu desmoronei. Não foi bonito, mas me deu alguma perspectiva.

 

Essa sensação de viver o mesmo dia várias vezes me levou quatro meses.

 

Quando veio 2017, comecei a ouvir aquela vozinha na parte de trás da minha cabeça novamente. Ela disse: “é a hora”. É hora de se recompor e fiz isso por meio da arte. Esse processo de regeneração – meu tema desse ano – começou em março, e eu me sinto muito melhor em comparação ao fim do ano passado.

 

Ano passado me deixou com marcas profundas e um gosto agridoce na boca. Além de me conectar novamente com a arte que amo, eu escolhi a mesma arte para regenerar a mim mesma. Eu sou muito grata por ter encontrado a coragem para iniciar esse processo.

 

Não foi fácil, mas estou aprendendo a me ouvir de novo. Respeitar-me. Escutar meu coração de novo.

 

Meu processo começou com a música, a primeira coisa que me conectei. Florence Welch é uma das minhas musas. Sua banda, Florence + The Machine, me ajuda a colocar um pouco de energia neste corpo e na minha alma quando tudo é cansativo. Florence está sempre lá para mim quando eu mais preciso dela. Uma artista incrível que, para mim, é além de mágica.

 

Florence + The Machine sempre combina com um momento e com uma sensação que me conecto em um capítulo específico da minha vida. É por isso que trago esta pequena lista com algumas músicas de sua banda. Alguns dos meus hinos pessoais.

 

E, talvez, você também possa regenerar alguma parte de você.

 

Shake it Out

 

Florence Welch

 

Quando o fardo é demais, temos que tentar eliminar um pouco o peso para avançar e tirar todos os maus pensamentos que nos congelam. Literalmente, essa música emana a mensagem: dance para ser livre. É difícil dançar com um demônio nas suas costas, certo? Então sacuda-o para longe de você!

 

No Light, No Light

 

Florence Welch

 

Como Shake It Out, Florence canta sobre o poder da escolha. No fim do dia, somos responsáveis por nossas decisões. Às vezes, algo ruim não deve ser visto negativamente, porque, talvez, podemos aprender com isso.

 

Essa música meio que nos ensina a não nos deixar afetar pela negatividade. Nós somos escuridão e luz. Às vezes, decidimos como devemos nos sentir. Se devemos desistir e começar outro capítulo da nossa história ou não. É claro que nem sempre é fácil, mas o refrão dessa música é uma espécie de mantra que me recorda de que haverá momentos difíceis e que eu posso escolher o que fica e o que desaparece.

 

E, quando não puder, eu pedirei ajuda.

 

Various Storms & Saints

 

Florence Welch

 

No caos, podemos encontrar os segredos em nosso coração. O coração é uma bússola para muitas pessoas. O que está dentro reflete do lado de fora. Quando estamos no caos, sentindo demais, não é errado dar um tempo para recordarmos o que é mais importante.

 

Vamos lembrar que quase tudo é temporário. Nós vamos sofrer, mas não para sempre. Nós devemos escolher entre os santos e as tempestades.

 

Which Witch

 

Florence Welch

 

“I’m not beat up by this yet”. Essa linha sempre ecoa em minha mente. Eu acho que, seja o que eu estiver passando, eu simplesmente não posso desistir. Ainda não. Afinal, caímos para aprender. Caímos para crescer.

 

Cair não significa que a derrota será para sempre. Nós temos uma história para contar, pessoas para conhecer e experiências para passar. É impossível não se sentir obrigado a lutar mais e mais depois de ouvir essa música. É um hino para a vida!

 

Dog Days Are Over

 

Florence Welch

 

Essa música é liberdade. É a virada de uma página ou de um momento difícil que vivemos. Quando esse tempo chega definitivamente ao fim, tal música precisa ser tocada no volume alto. É outro hino que diz que esses dias sombrios se foram. Apesar da dor, do pensamento de desistir, você venceu a batalha. Você pode bater palmas e dar um high five para si mesma. Você conseguiu!

 

 

Florence + The Machine tem uma caixa de ferramentas metafórica de canções de cura. Cabe aos que ouvem interpretar da melhor forma possível – não importa o que você pense, sinta ou esconda.

 

Seja a mudança que você quer ver. Isso é o que estou fazendo esse ano e espero que você também.

 

Texto Original: In The Name of Florence + The Machine, Music Heals The Soul

Imagens: Florence Welch Gallery

Tags: , , .
Stefs Lima
Escritora dividida entre o tempo e o espaço. Colecionadora de achados e perdidos. Ex-líder de um Capítulo Local do movimento internacional chamado I AM THAT GIRL. Não poupa no textão e nem nas doses diárias de café. Além disso, acredita piamente que você pode ser sua própria heroína.
Você pode gostar de ler também Deixe seu comentário
Siga @HeyrandonGirl no Instagram e não perca as novidades